Humanidade esta encruzilhada: Escravização via NWO ou Liberdade pela evolução

Escravidão ou Liberdade: Tu decide !!

A pergunta que muito se faz [os que ‘pensam’] nas últimas semanas é como foi possível chegar a este ponto. Ou melhor, como foi para a humanidade ser reduzida a uma massa de zumbis salivantes desumanizados que não tem outro pensamento a não ser possível colocar uma máscara inútil [útil para as aletas desejada] e prejudicial em seu rosto. ISSO NÃO aconteceu em um dia, nem é exclusivamente fruto da operação maciça terrorista que a mídia [pré$$titute] controlada por grandes poderes vem realizando há mais de um ano.

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch

A Humanidade numa Encruzilhada: ou a escravização sob uma Nova Ordem Mundial ou a liberdade pela evolução [NÃO HÁ MEIO TERMO]

Fonte: La Cruna dell’Ago [O Buraco da Agulha]

por Cesare Sacchetti

Para chegar a esse ponto foi necessário antes de tudo, um longo, lento, sutil e inexorável processo de desmoralização e imbecilização que, na verdade, levou a humanidade ao ponto mais baixo e animalesco de sua história.

Por desmoralização e imbecilização, entendemos a ausência completa de valores, de moral, de ética, de respeito pela vida, uma condição em que o mal está praticamente no mesmo nível ou até mesmo é mais valorizado do que a prática do bem. Pode-se dizer com segurança que nunca houve uma época histórica como a atual em que as pessoas nunca foram tão estúpidas e dispersivas como agora.

Portanto, a operação terrorista do coronavírus conseguiu se enraizar facilmente em uma multidão que, em sua imensa maioria, como mencionado anteriormente, perdeu todo o senso de valor moral, vive em estado vegetativo, em pânico e controlado mentalmente seus senhores e feitosres. Esta crise foi cuidadosa e engenhosamente muito bem preparada, bem como o quadro muito maior por trás dela e que é “invisível” para a maioria.

Na verdade, a crise do coronavírus tem todas as características do catalisador evento que os círculos mais influentes do globalismo da elite e dos oligarcas procuram há algum tempo. O objetivo final não é outro senão dominar o mundo através do estabelecimento de um totalitarismo muito mais feroz e opressor que todos os passados século.

Se você pensa que a história é apenas fruto do acaso e que os poderes que dominam este mundo não tem estratégia, você praticamente não entende nada do que está acontecendo agora.

Se adotarmos essa perspectiva, os ficamos confinados ao mundo das categorias por meio dos quais o sistema marca todos aqueles que ainda têm pensamento crítico, esta desenvolvendo sua consciência e não tem medo da verdade, embora muitas vezes possa ser difícil e de amargo aceita-la.

De fato, o sistema gosta de definir “teóricos da conspiração” ou “pessoas planas”, todos aqueles que compreenderam muito bem que não existem uma “emergência de saúde” global de nenhum tipo. A única forma de o regime sobreviver é banir as mentes que pensam, independentemente do que a mídia pré$$$titute diga diariamente.

A mídia, de fato, como explica o sociólogo Marshall McLuhan, não tem a função de informar as massas de forma alguma. A mídia é a [SEMPRE FOI] pré$$titute uma ferramenta de poder para programar a mente das massas. Em outras palavras, eles nada mais são do que uma máquina de guerra mental para decidir o que as pessoas devem ou não pensar, deve ou não aceitar como “verdade”.

Desde o início de sua existência, os homens e as mulheres são programados em cada aspecto de sua vida diária.

Como instituições há muito perderam a função de educar e preparar as pessoas para a vida. Sua tarefa não é alimentar o senso crítico das pessoas e desenvolve-lo, mas reprimir de todas as formas todos aqueles que questionam a narrativa dominante e percebem sua enorme falácia, arrogância, totalitarismo e tirania.

Para existir, a ideologia da agenda globalista de criação de um governo totalitário no estilo NWO-Nova Ordem Mundial deve criar massas que não pensam, e que não faz nada além de repetir o que foi feito para devorar os agentes do regime sob o disfarce de professores propagandistas, ou jornalistas que nada mais são do que porta-vozes prostitutas de grandes empresas financeiras de interesses que agora tem controle absoluto das informações italianas e mundiais.

A essa altura, a pergunta natural a ser feita é a que se refere ao objetivo último desse novo totalitarismo que este tomando conta e o controle total de nossa existência. Qual é o tipo de sociedade que este sistema deseja e que não admite outra opinião senão que imposta pelo próprio sistema através de suas prostitutas da mídia mainstream?

O objetivo final foi revelado pelo próprio sistema em várias ocasiões, e a agenda é um governo mundial dominado por uma pequena elite de representantes eleitos e oligarcas que pertencem aos círculos mais restritos da elite do globalismo, como os membros do Clube de Roma, os khazares Sionistas, o Clube Bilderberg, o Conselho das Relações Exteriores, Nazistas, Illuminati, apenas citar alguns.

Esses círculos nada mais são do que parte da estrutura de poder que governa o mundo há milênios e que há muito tempo trabalhando incansavelmente em um único objetivo, ou seja, varrer as nações do mapa mundi, a sua história, sua religião e sua cultura da face da terra ao mesmo tempo que passa a controlar todas as suas riquezas e povos.

Das cinzas das nações, na agenda do globalismo, tem que surgir o Leviatã universal, dominado pela figura de um tirano global que perseguirá todos aqueles que ousarem se opor e resistir ao novo governo. Foram as elites próprias que revelaram seus planos décadas antes, mas como massas nunca foram realmente a sério suas intenções.

Em 1950, o poderoso banqueiro James Warburg ligado à família no topo do poder global, os judeus khazares Rothschilds, desapeciam-se perante o Congresso americano que um dia haveria “um governo mundial”. A realização desse objetivo não estava em questão, segundo Warburg, mas os meios para alcançá-lo, seja pelo consentimento [fabricado através de infindáveis “crises”] das próprias massas, seja pelo uso da força.

A julgar pela situação atual, deve-se inclinar mais para a primeira opção. Como massas salivantes do mundo, com raras exceções, não está se opondo ao desígnio de uma ditadura mundial. Ao contrário, eles estão aceitando passiva e bovinamente e, no pior dos casos, muitos alegram-se com entusiasmo por sua própria ruína, a de sua própria ruína, endo aqueles que ainda são dotados de humanidade e intelecto e não querem ser destruídos.

A desmoralização das massas passivas favoreceu o ascensão do totalitarismo mundial

Este ponto “de quase não retorno” não foi alcançado por acaso, como mencionado acima. Para levar a humanidade a este estado de brutalização e bestialização completa, foi necessário realizar ao longo das décadas um programa de desmoralização das massas, como profeticamente explicado pelo ex-agente da KGB Yuri Bezmenov já em 1984.

Se você tira de uma pessoa qualquer tipo de valor que a torna incapaz de distinguir o bem do mal, ela é capaz de aceitar qualquer coisa. Mais simplesmente, se um homem/mulher não sabe o que é o bem, ele nem mesmo se perguntará sobre o problema de cometer o mal, precisamente porque aos seus olhos não há diferença substancial entre o primeiro e o segundo.

Aqui neste blog procura explicar o que está acontecendo atualmente. Como massas não veem a verdade porque nem mesmo colocam o problema de que o mal e a falsidade pode existir na mensagem do sistema. Eles o aceitam sem qualquer escrúpulo moral, e uma vez que recebe a ordem dos fantoches do regime, os políticos de todos os países, mesmo os mais desumanos, insanos e criminosos, a massa ruminante de bovinos nada faze senão cumpri-lo e executá-lo sem questionamentos, com de ser acusado de “NEGACIONISTA”.

O pensamento livre é proibido na ditadura mundial. No entanto, para alcançar a desmoralização de hoje foi necessário retirar de cena o que mais do que tudo define e dirige a moralidade e a ética de um povo, ou sua religião, e no caso da Itália e do Ocidente, a descristianização está trazendo isso rapidamente e à “civilização” ruma rápida para a sua conclusão.

Esse era o objetivo da Maçonaria que, por mais de um século, planejou cientificamente a infiltração na Igreja Católica. Nesse sentido, o Concílio Vaticano II do início dos anos de 1960, como já explicou Monsenhor Viganò , desempenhou um papel fundamental na aceleração dos planos maçônicos e na manifestação da Nova Ordem Mundial.

Desde que a Igreja se abriu ao mundo e renunciou à sua tradição do século XIX, o declínio moral da Itália, da Europa e do mundo foi quase imparável. A tarefa da Igreja era resistir à secularização e ao secularismo, não se tornar seu porta-voz. A igreja anticatólica do papa Bergoglio, portanto, nada mais é do que a consequência óbvia desse longo processo de infiltração.

A sociedade está doente porque a humanidade e a igreja estão doentes. A saúde do segundo influencia o primeiro, e quanto mais forte e resistente a Igreja Católica, mais fraco e menos influente é o poder da Maçonaria. Há, portanto, uma relação inversamente proporcional entre esses dois poderes, Igreja e Maçonaria.

No entanto, é indubitável que o governo mundial, mesmo antes de uma natureza política, tem antes de tudo uma natureza espiritual. A raiz ideológica da Maçonaria não é outra senão as religiões de mistério que, em última análise, não se dedicam a nada além do culto de Lúcifer e das trevas.

Os maçons que deixaram esta organização revelaram ao mundo como a verdade sobre a religião da Maçonaria é revelada apenas para aqueles que alcançam os mais altos graus das lojas, acima de tudo o 33º grau, o ápice da carreira maçônica. Mesmo aqueles que não deixaram a Maçonaria e estavam entre os maçons mais influentes da história transmitiram a verdade sobre essa seita em alguns de seus escritos.

Albert Pike, grande mestre do 33º grau da loja do rito escocês da jurisdição do Sul dos EUA,  escreveu em sua correspondência com Mazzini , outro maçom de alto escalão, em 1871 que o objetivo final da Maçonaria era exatamente arrastar a humanidade para uma tirania mundial fundada em um ódio profundo e visceral ao Cristianismo.

A destruição do Cristianismo e da Igreja Católica é, portanto, simplesmente indispensável para que a Maçonaria e as potências globalistas possam alcançar seu objetivo. O governo mundial não poderá nascer a menos que haja aquela hierarquia de valores negativos que terá substituído completamente os valores cristãos.

Se negarmos a raiz espiritual da história e do período histórico atual, não podemos entender o que está acontecendo agora. Permanecemos confinados ao nível materialista da visão da história que é incapaz de explicar o que está acontecendo agora porque não admite o lado sobrenatural de forma alguma. A crise do coronavírus certamente é também uma forma de aumentar os lucros do grande capital das multinacionais e do cartel farmacêutico das Big Pharma, mas esse não é o objetivo principal.

O exemplo mais prático vem do programa de distribuição de vacinas da Covid. Michael Yeadon, cientista e ex-vice-presidente da Pfizer, deixou claro que o lucro não é o objetivo principal de todo o programa de distribuição.

Mais dinheiro poderia ser feito inflando o custo de produção das doses e distribuindo menos vacinas para a população. Nesse caso, os lucros poderiam ser muito maiores do que os atuais. Em vez disso, o cartel farmacêutico está produzindo doses em quantidades industriais por outro motivo. O sistema quer vacinar a todos para reduzir a população mundial, como revelou o próprio Yeadon , especialmente através da tecnologia mRNA da Pfizer-BioNTech e Moderna, que não são vacinas.

A distribuição de injeções experimentais de mRNA já está produzindo efeitos colaterais graves na população e também levará a uma redução inevitável da fertilidade da raça humana.

As elites querem reduzir a população mundial porque sua concepção é neomalthusiana. O neo-malthusianismo conheceu vigor em particular a partir dos anos 1970, quando por trás da fachada farisaica e hipócrita da proteção ambiental se escondia o verdadeiro objetivo dessa ideologia, que é eliminar a humanidade. Certamente não é por acaso que esta ideologia foi difundida por todos os grandes grupos do globalismo, como o Clube de Roma e a Comissão Trilateral.

A operação terrorista do coronavírus, portanto, serve na perspectiva de seus arquitetos para reduzir drasticamente o número de habitantes na Terra e para construir um governo mundial que não deixará escolha aos sobreviventes a não ser aceitar a nova sociedade do totalitarismo global e o seu controle absoluto sobre a vida dos indivíduos.

Uma sociedade onde não haverá mais trabalho, substituída por uma renda universal que será dada apenas a quem se inocular com vacinas e aceitar a futura marca da Besta e obedecer as regras estabelecidas. O recente tratado pandêmico assinado por 23 líderes mundiais vai exatamente no sentido de privar progressivamente o papel dos governos nacionais, que será substituído precisamente pelo futuro superestado global.

O mundo rumo à ditadura mundial ou ao retorno dos estados-nação?

Não é nada arriscado dizer que nunca antes a humanidade esteve tão perto de definitivamente aceitar essa escravidão. No entanto, se recorrermos a uma leitura espiritual e cristã do curso dos acontecimentos, devemos necessariamente tentar compreender melhor esta visão.

As ciências sociais, como economia, sociologia e geopolítica são certamente úteis na análise da realidade contemporânea, mas cada uma delas individualmente falha em compreender a ideologia e a natureza do totalitarismo global. Se recorrermos à interpretação cristã, tudo o que parece não fazer sentido agora assume um contexto mais claro [para os que estão despertos, obviamente, pois a massa esta irremediavelmente perdida]. O verdadeiro significado desta história nada mais é do que destruir a humanidade e fazê-la sofrer o pior sofrimento possível.

Se o mundo está em um estado de grande confusão e já muito dentro dos tempos apocalípticos, devemos necessariamente nos perguntar se estamos no ponto da história onde a ascensão final do tirano global e sua ditadura implacável se manifestam. Existem várias razões de natureza espiritual e geopolítica que sugerem que a humanidade [uma parte] ainda não está totalmente à beira do precipício.

Aqueles que pertencem à esfera mais espiritual sugerem que o mundo está neste momento no que é descrito como a quinta das sete eras da Igreja. Esta classificação da história foi feita pela primeira vez pelo beato alemão Bartholomew Holzhauser, que também escreveu excelentes comentários sobre o Apocalipse.

Holzhauser dividiu a história da humanidade nessas sete grandes épocas, desde o nascimento de Cristo, a primeira, até a vinda do Anticristo, a sétima e atual.

De acordo com várias leituras e interpretações,  incluindo a de Monsenhor Williamson , o mundo estaria agora na quinta era. Esta época é de grande dissolução e abjeção moral em que a humanidade se deixa cair em grandes apostasias e se distancia completamente da fé. O caos reina e uma grande agitação e turbulência varrem as nações em diferentes partes do mundo [momento em que mesmo a “cidade eterna de Roma” será destruída].

Esse período guarda semelhanças extremas com a era atual em que a humanidade provavelmente atingiu o degrau mais baixo de sua história, agora reduzida ao culto da máscara e fiel apenas à palavra dos novos feiticeiros cientistas como seus mestres. No entanto, este período deve estar próximo do fim e a apostasia generalizada deve chegar ao fim.

Assim que esse sistema profundamente infectado, promíscuo, corrompido moralmente desaparecer, a Igreja voltará à sua antiga grandeza liderada por uma figura que é conhecida como o “Santo Papa” [esta é uma grande besteira].

Não poucos pensaram que esta figura não é outro senão o Monsenhor Viganò que neste momento é certamente o líder espiritual na batalha contra a falsa igreja que se tornou o porta-voz da Maçonaria e da religião ocultista global ao invés de seu adversário.  Os elementos mais materiais que sugerem que ainda não é a hora do governo mundial são aqueles que as grandes potências mundiais não estão firmemente nas mãos da Nova Ordem Mundial.

Um dos mais importantes intelectuais financiados pelos Rothschilds e pelos Warburgs, e pai ideológico da atual União Europeia, o conde Kalergi, também maçom, já explicava na década de 1920 que o governo mundial para ver a luz teria que ver a participação dos Estados Unidos, a Europa unidos nos Estados Unidos da Europa, Grã-Bretanha e a então definitivamente também a URSS, agora a Rússia.

A divisão do mundo de acordo com Kalergi

Somente a participação dos blocos geopolíticos e econômicos mais influentes do mundo pode permitir o nascimento de um único governo mundial.

Winston Churchill, outro membro da Maçonaria, chegou às mesmas conclusões em 1950 . Neste momento histórico, a grande potência globalista certamente tem controle absoluto da UE, onde a infecção anticristã é particularmente forte, da Grã-Bretanha e da China comunistas, mas não tem nem os Estados Unidos nem a Rússia com ela.

Na verdade, os Estados Unidos parecem estar suspensos em uma espécie de limbo. O governo do patético e senil Joe Biden- Kamala Harris é um governo fantoche que não parece que vai perdurar. A operação que Trump parece ter conseguido realizar depois de 20 de janeiro é se afastar temporariamente para entregar o poder aos militares. Tudo isso em antecipação à anulação oficial do resultado da fraude eleitoral de 2020 e ao retorno oficial ao poder, ou com a realização de novas eleições, mas bem antes de 2024.

As últimas declarações do empresário Mike Lindell e as notícias do relatório legal da votação  no  Arizona sugerem que essa possibilidade está se aproximando no horizonte. Até o momento, o governo Biden-Harris nem mesmo foi capaz de assinar o tratado pandêmico que forma a estrutura do governo mundial.

Em todo caso, não haverá governo mundial se os Estados Unidos não fizerem parte dele. É por isso que os grandes lobbies do globalismo tentaram, e estão tentando desesperadamente, retomar o controle da América. Eles estão perfeitamente cientes de que não há como fazer isso sem a superpotência americana.

Do outro lado do hemisfério está a Rússia de Putin que, desde antes do advento de Trump, tem sido uma barreira real de contenção para o plano de expansão globalista especial e crucialmente no Oriente Médio ao barrar a expansionismo sionista de Israel em relação à Síria. O próprio presidente russo em seu recente discurso em Davos, o clube financeiro mundial, deixou claro que o tempo da visão única global chegou ao fim e que o mundo não caminhará para a Grande Reinicialização – Greta Reset, a agenda dos globalistas.

Em outras palavras, o globalismo está tentando desesperadamente acelerar em direção ao seu objetivo final de criar uma NWO, mas não trouxe consigo as duas grandes superpotências que deveriam formar a pedra angular dessa ditadura mundial. A janela de oportunidade está se fechando e certamente não será a fraca, dividida e irrelevante UE que levará o mundo em direção ao superestado universal.

Bill Gates [of Hell] voltou recentemente e deu a entender que leva mais tempo para chegar à Grande Reinicialização . O fim da falsa pandemia foi adiado para 2022 e, se você olhar o roteiro publicado por denunciantes do governo no ano passado, as coisas não estão indo exatamente como planejado. As elites planejaram recuperar o controle total dos EUA já em 2021, mas foi visto que há uma administração fantoche em Washington.

Neste cenário sombrio, portanto, ainda podemos vislumbrar um pouco de luz que sugere que neste momento histórico talvez os planos dos Rothschilds, da Maçonaria, Sionistas, Deep State, Bilderberg, Clube de Roma, Illuminati, Nazistas, et caterva não tenham sucesso, mas devemos estar cientes de que não será nada fácil.

O mundo, no entanto, está destinado a sofrer grandes turbulências [as Dores do Parto…], mesmo que as aspirações globalistas já devam virar fumaça nesta conjuntura histórica. Só quem resistir até o fim conseguirá. Acima de tudo, apenas aqueles que conseguem alcançar a visão espiritual serão capazes de chegar ao fim da linha de chegada.

No fim de semana foi a Páscoa da Ressurreição, e talvez esta também possa ser a esperança de uma ressurreição das forças da Luz que se opõem a tudo isso. No final, porém, o mal não vencerá. Feliz Páscoa e as forças das trevas ‘Non Praevalebunt’.


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]

Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.