Resposta global dos governos ao COVID dizimou [intencional e] absolutamente a classe média

Poucos canais financeiros, se é que algum, foram mais francos na última década sobre os danos que os políticos dos governos de todas as nações podem causar macrogerenciando tiranicamente (e, neste caso, fechando) todas as suas economias do que nós mesmos. É por isso que não ficamos surpresos ao ver um relatório totalmente novo observando que, devido à pandemia (e a conseqüente resposta de ‘estímulo’ global), mais pessoas do que nunca estão saindo da classe média e passando a viver em níveis extremos de pobreza. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Resposta global dos governos ao COVID dizimou [intencional e] absolutamente a classe média 

Fonte:  Zero Hedge

Publicado pela Bloomberg , o relatório define os assalariados de “renda média” como aqueles que ganham de US$ 10 a US$ 20 por dia, distribuídos além das fronteiras geográficas. Aqueles que ganham US$ 20 a US$ 50 por dia são considerados “renda média alta”. 

Essas duas faixas representam 2,5 bilhões de pessoas do planeta, ou cerca de 33% da população mundial. E desse grupo estão inúmeras histórias de vários países daquilo que a Bloomberg chama de “sucessos duramente conquistados que se evaporaram da noite para o dia”.

As perspectivas para o futuro também não parecem promissoras. O FMI prevê que a economia global em 2024 será 3% menor do que seria se Covid não tivesse acontecido.

Por exemplo, o PIB da Índia será 5,2% menor do que seria de outra forma. (E temos certeza de que ninguém fará nada para responsabilizar a China por essa enorme redução global no PIB).

Na Índia, o relatório destacou Ravi Kant Sharma, que passou “mais de uma década” economizando para comprar um carro. Ele começou 2020 com o suficiente para um pagamento inicial e planeja comemorar seu aniversário de casamento. No final do ano, ele perdeu o emprego, devorou ​​suas economias e teve que colocar o carro em espera.

“Esgotei todas as minhas economias. Estamos encontrando dificuldades para pagar as parcelas dos empréstimos existentes ”, disse ele. “Minha vida sofreu um retrocesso de pelo menos três anos, embora meus sonhos estivessem além do meu alcance”.

Francinete Alves, do Brasil, também está fazendo sacrifícios, comendo rim, língua, fígado e outras carnes de órgãos esporadicamente, conforme aumenta o consumo de ovos no país rico em carne e maior produtor mundial.

Alves ainda está empregada, ganhando cerca de US$ 881 por mês, mas o aumento dos preços dos alimentos a levou a fazer mudanças em sua dieta. Ela agora procura descontos em açougues antes de ir às compras.

“Antigamente, $ 20 reais dava para você sair daqui com um monte de coisas. Fico pensando em pessoas que têm família para sustentar e recebem apenas um salário mínimo”, diz Alves. “Eu honestamente não sei como eles vivem”

Na África do Sul, Mosima Kganyane, de 26 anos, finalmente alugou seu próprio apartamento.  Depois que Covid bateu, seu empregador entrou em falência e o demitiu, contribuindo para a taxa de desemprego de 32,5% do país.

Ela pagou uma taxa de US$ 271 para cancelar seu contrato de aluguel e voltar a morar com sua família. Ela agora trabalha em um emprego temporário e gastou US$ 1.000 para fazer um acréscimo na casa de seus pais para que ela pudesse alugar um quarto. 

Ela pagou uma taxa de US$ 271 para cancelar seu contrato de aluguel e voltar a morar com sua família. Ela agora trabalha em um emprego temporário e gastou US$ 1.000 para fazer um acréscimo na casa de seus pais para que ela pudesse alugar um quarto.

Ela disse a Bloomberg: “A Pandemia pelo Covid-19 me ensinou a não relaxar e que preciso lutar, lutar pela sobrevivência, porque não sei o que o amanhã reserva”.

Em Bangcoc, vendedores de alimentos como Yada Pornpetrumpa estão lidando com uma multidão menor e despreocupada de turistas para vender tarde depois de perder 75% de seus negócios. Ela agora vive com ajuda do governo e sua renda diária caiu para apenas 10% do que ganhava antes.

“Antes de tudo isso, quando comecei a abrir minha loja, já existia uma fila de sucos de frutas”, diz ela. “Eu tinha um lucro de 50% em tudo que vendia.”

Com tristeza, concluiu afirmando que apesar de ter poucos bens, continua feliz: “Ter carro ou casa é o que a sociedade nos diz que devemos valorizar, mas não define a classe média. Eu não tenho ativos agora. Mas eu tenho paz de espírito”. 

Via: https://thoth3126.com.br/resposta-global-dos-governos-ao-covid-dizimou-intencional-e-absolutamente-a-classe-media/


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.