Conexão entre Itália e China é a Chave para a ‘Operação Terrorista’ Covid-19?

Já foi visto anteriormente que a crise do coronavírus não foi de forma alguma um evento inesperado e aleatório. Os “andares superiores” do sistema já vinham pensando, ou melhor, se preparando para [criar] uma crise pandêmica e o exemplo mais recente e explicativo vem do famoso exercício “Evento 201” financiado por Bill [Hell’s] Gates em outubro de 2019. O evento 201 basicamente descreveu tudo o que iria acontecer depois, quando, segundo a “versão oficial” do establishment, um novo vírus se espalharia pelo mundo, resultado de uma “mutação misteriosa” de animal para o homem.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Conexão entre Itália e China é a chave para a ‘Operação Terrorista’ Covid-19?

Fonte:  La Cruna Dell’Ago – por Cesare Sacchetti

É exatamente isso que as instituições internacionais de saúde afirmam em relação ao coronavírus que, segundo a narrativa da mídia mainstream [PRE$$TITUTE] dominante, seria o resultado de uma mutação de morcego para humano que ainda não foi provada minimamente.

A China certamente desempenhou o papel primordial no início desta operação terrorista, mas há que se considerar o papel de outro país que poderia ter sido igualmente decisivo, a saber, a Itália.  Parece haver um fio condutor que une a Itália e a China na gestão, no início e na disseminação da crise do coronavírus.

Na verdade, se seguirmos o curso dos acontecimentos recentes, teremos a nítida impressão de que esses dois países agiram em conjunto para fazer a Covid-19 parecer um patógeno extremamente letal, quando os dados oficiais dizem que se trata de um vírus da gripe com uma ridícula letalidade de 0,25% dos infectados.

Para entender melhor o que Itália e China têm em comum nessa operação, é necessário analisar um acontecimento completa e convenientemente esquecido pela mídia mainstream [PRE$$TITUTE] e que poderia ser a pedra angular desta história. O evento em causa diz respeito à visita do então Primeiro-Ministro, Giuseppe Conte, à sede da Technogenetics de Avellino que decorreu no dia 16 de outubro de 2019 e reportada pelo perfil “Game Over” no Twitter .

Xi Jinping e Conte, o “EIXO” China-Itália na disseminação da pandemia COVID-19

A Technogenetics é uma importante empresa líder no setor de diagnósticos de laboratório.  Basicamente, trata-se de produzir exames de saúde capazes de estabelecer a positividade ou negatividade para determinadas patologias.

No entanto, esta empresa deixou de ser italiana desde 2015, quando foi adquirida pelo gigante chinês KHB Shanghai. O KHB Shanghai é por sua vez controlada por outra empresa, chamada Gree Real Estate Co. Ltd . A Gree pertence à SASAC , sigla que identifica a comissão de administração e supervisão do conselho estadual das estatais, que nada mais é do que o órgão que controla as estatais chinesas.

A Technogenetics, portanto, passou diretamente para as mãos da ditadura comunista chinesa. É importante lembrar esta empresa porque ela terá um papel fundamental nos meses seguintes, quando começar a operação do coronavírus. Na verdade, a Technogenetics irá preparar o teste de PCR do vírus em 12 de janeiro de 2020, que será usado em Wuhan e, posteriormente, na Itália e na Europa.

O teste de PCR [de falsos resultados] ainda é simplesmente essencial para manter a pandemia artificial de pé. Este teste, como já foi constatado em diversas ocasiões, tem uma confiabilidade muito baixa, podendo produzir até 90% dos falsos positivos, conforme reconhece o New York Times .

Na Itália, o caso mais marcante, a esse respeito, vem dos dezessete trabalhadores de saúde do hospital Nuoro San Francesco , que testaram positivo para Covid com o vírus até que o teste sorológico provou incontestavelmente que essas dezessete pessoas nunca tiveram contato com o vírus .

O teste PCR, portanto, criou e mantém uma epidemia que realmente não existe e os vários governos mundiais continuam a usá-lo de forma fraudulenta, apesar das evidências de sua falta de confiabilidade serem agora claras.  No mesmo dia 16 de outubro, Conte faz uma visita “casual” a uma empresa que será um dos protagonistas indiscutíveis da crise de Covid.

O próprio governo de Conte, por meio do então comissário de emergência Arcuri, contratará a Technogenetics para comprar os testes rápidos da Covid em outubro de 2020 . A visita de Conte à sede desta empresa que teve e ainda tem um papel estratégico na chamada “crise pandemica” parece, portanto, uma coincidência preocupante, mas o ambiente que parece transparecer nas fotos do evento também é marcante.

Na verdade, se você olhar para um deles, verá, na foto à seguir, que Conte esta lançando um olhar bastante estreito com o diretor da empresa, Salvatore Cincotti.

Em outra foto abaixo, vemos o próprio ex-primeiro ministro ocupado segurando o microfone para o próprio Cincotti.

A sensação é que havia uma atmosfera de extrema convivência e conivência, como se de alguma forma todos soubessem o verdadeiro significado da visita de Conte à Technogenetics naquele dia.  No entanto, as coincidências não param por aí. No mesmo dia, aparece o xerife governador da Campânia De Luca, outro protagonista fixo da crise terrorista do coronavírus. De Luca é o homem que passou a definir como “feras” aquelas pessoas que não usam máscaras a ponto de pedir para colocá-las no “pelourinho público”.

Podemos pensar com segurança que tudo isso é o resultado de uma série de “incríveis coincidências” que levaram, por circunstâncias muito estranhas, os protagonistas dos meses seguintes a se encontrarem no mesmo lugar e no mesmo local de uma empresa de propriedade chinesa que acontece que é justamente aquela que vai produzir os polêmicos testes PCR nos meses seguintes.

As coincidências, porém, não acabaram. Eles continuam no mês seguinte e nesta história é importante manter as datas em mente para ver que os eventos descritos não parecem ser fruto do acaso. Após a visita de Conte à sede da Technogenetics, outro evento totalmente irracional acontece.

A China ligou para Grillo para avisá-lo do que estava para acontecer?

Em 22 de novembro de 2019, o embaixador da China na ItáliaLi Junhua, convoca Beppe Grillo , líder do partido M5S, à embaixada chinesa. Na época, um embaraçado e desajeitado ministro das Relações Exteriores, Luigi Di Maio, tentou justificar essa situação anômala como a visita de um “cidadão comum” à mais alta representação diplomática chinesa.

Beppe Grillo, entretanto, não é exatamente o retrato exato do “cidadão comum”. Grillo era então o líder do M5S, partido do próprio Luigi Di Maio, que detém o maior número de cadeiras no Parlamento italiano. Se o chefe de uma missão diplomática estrangeira convoca Grillo para sua sede, certamente não é um evento que pode afetar apenas a esfera privada de Grillo, mas sim diz respeito aos interesses do próprio país e mais ainda dos italianos.

No entanto, o M5S já estava tecendo uma teia de relações com a ditadura comunista chinesa já em 2013 e é bem provável que o embaixador Li Junhua convocou Grillo exatamente porque o M5S ao longo dos anos pode ter desenvolvido o papel de interlocutor privilegiado em Pequim.

Na verdade, o movimento grillino parece ser controlado remotamente por várias potências supranacionais e a China certamente é uma delas. Antes mesmo da teia de relações com o Partido Comunista Chinês, Grillo já havia desenvolvido contatos com a embaixada americana que o convidou para a sua embaixada na Via Veneto em 2008, na época do governo Obama.

O embaixador americano da época, Roland Spogli, entregou um relatório detalhado ao Depto de Estado dos Estados Unidos no qual descreveu Grillo como um “interlocutor confiável” do M5S como uma alternativa válida para a política italiana.

Uma forte interferência do Estado [Deep State] Profundo desde Washington já havia ocorrido na arena política italiana, e isso sugere que o poder dos grandes lobbies anglo-saxões queria ter certeza de controlar o que já na época tinha todas as características de uma oposição controlado pelo próprio sistema.

Na verdade, o M5S nunca colocou em sua agenda política os argumentos temidos pelo sistema sobre a influência da grande potência globalista e a defesa da soberania dos Estados-nação. Não poderia, pela simples razão de que ambos os fundadores do movimento, Grillo e Gianroberto Casaleggio, eram expressões desse poder.

No entanto, o que pode parecer uma aparente contradição que vê o M5S próximo do poder anglo-saxão e ao mesmo tempo da China, na verdade não o é. Foram as finanças anglo-saxãs e o Estado [Deep State] Profundo de Washington que criaram o monstro mercantilista chinês.

Foi apenas o advento de Trump durante quatro anos na Casa Branca que separou os EUA do controle total pelo globalismo e do Estado [Deep State] Profundo, inevitavelmente, do motor econômico da globalização, a saber, a China comunista. Quando Grillo foi convocado pela China, a Itália já havia se tornado, a despeito de si mesma, um satélite econômico [e político] da própria China.

Na verdade, em março de 2019, a Itália foi o primeiro e único país europeu a aderir ao acordo da Rota da Seda, ambicioso projeto de integração da China, o chamado BRI (Belt and Road Initiative) que é um projeto que visa a construção de grandes obras necessárias para ligar a China à Ásia Central com a Europa e, assim, construírem canais privilegiados para a exportação de produtos chineses. O BIS [Banco de Compensações Internacionais, um dos pilares do sistema financeiro internacional, controlado pelos Rothschild] financia os países membros por meio de empréstimos para a construção de infraestruturas essenciais, como rodovias, pontes, ferrovias, aeroportos, portos, sistema de comunicações, etc.

Muitas vezes, porém, os adeptos desse projeto chinês se veem incapazes de pagar os créditos à juros exorbitantes e a China absorve essas mesmas infraestruturas em compensação, dando origem a uma colonização econômica mortal que lhe permite ter o controle absoluto dos países signatários do BRI (Belt and Road Initiative) que se encontram enredados em uma verdadeira armadilha da dívida.

Um ano depois do acordo, não parece coincidência que a China tenha adquirido o porto de Taranto  na Itália. Em outras palavras, a China usou a Itália como um cavalo de Tróia para entrar na Europa e, assim, ter o controle de um país, a Itália, que é estratégico para as rotas de comércio naval da bacia do Mediterrâneo envolvendo estrategicamente o norte da África.

E quem entregou as chaves da Itália e da Europa para a China foi Giuseppe Conte, também próximo do partido M5S. Nesta perspectiva, o M5S parece, portanto, ter assumido um papel fundamental na promoção do plano de expansão econômica da China e sua invasão da Europa via Itália.

O governo italiano no início de sua aventura parecia mais próximo do governo Trump e deveria ter o objetivo de contrabalançar o eixo franco-alemão e se opor a influência do gigante chinês na Europa. O acordo da Rota da Seda e a queda do governo decidida pelo próprio Salvini mostraram que o governo da Liga-M5S não passava de um grande blefe.

Na verdade, a Liga nada fez para se opor ao acordo, provavelmente também pela presença de homens da China em seu partido, como Michele Geraci, subsecretária de Desenvolvimento Econômico do governo verde-amarelo.

A Liga do Norte essencialmente nunca apoiou Trump. Seus referentes são os mesmos que se opuseram à presidência de Trump, incluindo o Estado Profundo de Washington e os lobbies militares atlantistas dos coglomerados do Complexo Industrial Militar que nada têm a ver com a visão do presidente americano a não ser controlá-lo.

Trump, de fato, tentou acabar com o papel dos EUA como milícia da potência globalista que usou a superpotência militar americana para atingir qualquer pais que representasse um obstáculo aos planos de implantação da Nova Ordem Mundial.

Após o aparente harakiri político em agosto, o político Salvini realmente pavimentou o caminho para o governo PD-M5S ainda mais firmemente nas mãos da China comunista e das finanças anglo-saxônicas no que provavelmente foi uma transferência acordada para a qual Salvini nada fez além de executá-la. Posteriormente, Salvini recebeu outra tarefa que era abrir a rua do Palazzo Chigi para Draghi, um excepcional e dedicado marionete dos controladores do sistema.

O conhecido “Giuseppi” de Trump no Twitter em agosto de 2019 pode ter levado muitos a pensar que Trump também deu apoio ao Conde II, mas esse tweet parece ter sido mais o resultado de uma informação deliberadamente incorreta da embaixada dos EUA em via Veneto que supostamente omitiu o envolvimento do PD no novo governo Conte para o presidente dos EUA.

Em todo caso, após o encontro de Grillo em 22 de novembro com o embaixador chinês, outro estranho acontecimento ocorre no mês seguinte, o qual vê novamente o comediante e bufão genovês como protagonista. No dia 17 de dezembro, Grillo aparece em Roma com uma máscara no rosto e aos jornalistas ao seu redor explica que o faz para “se proteger dos vírus”. Neste ponto, podemos hipotetizar uma conexão entre a visita de Grillo à embaixada chinesa e sua aparição com a máscara.

  • A China ligou para Grillo para informá-lo do que estava para acontecer?
  • A Itália e a China se coordenaram para desencadear o terrorismo médico?

A circunstância é certamente única e todos os acontecimentos que se alinham mostram uma espécie de ligação e coordenação entre a Itália e a China na disseminação da crise covid na Europa. Na verdade, no mês seguinte, da China, são mostradas imagens que sugerem que existe algum vírus letal por aí, mas o governo Conte e virologistas como Pregliasco e Burioni, estavam todos ocupados dizendo que não havia risco de ocorrer Covid na Itália.

Em Roma, em 30 de janeiro de 2020, apareceu um estranho casal de chineses de Wuhan que supostamente trouxe o vírus para a Itália. Se Wuhan fosse de fato a cidade do contágio, como afirmam a mídia mainstream PRE$$TITUTE e/ou a OMS, o bom senso não teria desejado que ninguém tivesse vindo de Wuhan nas semanas anteriores.

Pelo contrário, o governo Conte só fechou os voos para a Itália depois que os dois chineses já haviam chegado e a sensação era de que quem idealizou esta operação queria acreditar que o vírus “letal” de Wuhan havia chegado à Itália justamente para aterrorizar ainda mais o público.

No entanto, o caso do casal chinês é único, eles permaneceram internados 59 dias em Spallanzani e até o momento ninguém teve uma internação tão longa devido à Covid, a menos que os pacientes já tivessem outras patologias anteriores graves.

De acordo com o que Spallanzani disse, os dois chineses teriam apenas tido o coronavírus e até hoje continuam sendo um caso praticamente único para sua hospitalização recorde. Então, em fevereiro, outra coisa estranha acontece. A mídia noticia a notícia do famoso paciente de 38 anos de Codogno positivo para Covid, hospitalizado em 20 de fevereiro e teve alta em 23 de março.

Estranhamente, o paciente zero com quem entraria em contato não apresentava sintomas e estava bem. Na época, era o próprio Dr. Puro dello Spallanzani quem dizia que era necessário um caso  sintomático para transmitir o vírus e que o Covid não era letal . A própria OMS confirmou posteriormente que os assintomáticos não podem transmitir o vírus .

Portanto, não está claro de onde esse misterioso “contágio” começou. Ainda mais surreais são as declarações do paciente um de Codogno de que a primeira coisa que disse assim que saiu do hospital foi o convite para “ficar em casa e evitar o contato com a família” quando eram os mesmos virologistas de Spallanzani na mesma época de sua renúncia para dizer que não havia risco algum.

A preocupação do paciente 1 em fazer a Covid parecer extremamente contagiosa e transmitir a mensagem do governo Conte para “ficar em casa” certamente parece anômala.

Em março de 2020, porém, o terreno já estava pronto. A população já está em grande parte aterrorizada e Conte fecha a Itália. Ninguém obviamente se opõe a ele. As falsas oposições da Liga e do Fdi estiveram, pelo contrário, na linha da frente para soprar o fogo da falsa emergência pedindo o fechamento de tudo .

Depois vem a cidade de Bergamo e o desfile macabro de caminhões militares completamente inúteis do ponto de vista da saúde, mas úteis do ponto de vista psicológico para aterrorizar ainda mais a população. Os corpos dos mortos são destruídos com cremações e as autópsias tornam-se impossíveis de estabelecer a verdadeira causa da morte das pessoas.

Este fato por si só constitui um crime. Se a China, em todo caso, foi fundamental para dar vida à crise de Covid em nível global, a Itália foi decisiva em transportá-la para a Europa. Em outras palavras, a China foi escolhida para lançar o terrorismo sanitário em nível global, enquanto a Itália foi escolhida para lançá-lo em nível europeu.

Havia um desenho difamatório preciso para desacreditar a Itália aos olhos do mundo, fazendo-a passar por uma espécie de “disseminador” internacional do contágio, e nesse sentido vem à mente o infame gráfico da CNN [um ícone da mídia PRE$$TITUTE a serviço de seus senhores globalistas, comunistas, Deep State, de quem pagar mais], mostrando todas as setas da origem do contágio pelo Coronavirus que partem da Itália.

A Itália tem servido essencialmente como um laboratório privilegiado para as experiências da cabala globalista que considera esta nação como um inimigo absoluto devido às suas raízes católicas e romanas. O próprio governo Conte esteve na linha de frente a favor do sucesso desse plano diabólico, quando ressaltou dramaticamente o perigo de um vírus de gripe e posteriormente estabeleceu uma ditadura nos moldes da chinesa.

Poucos meses depois, no entanto, a China sai da operação terrorista de coronavírus. Na China, no verão passado, tudo se reabre e as pessoas dançam nas discotecas atacadas sem a máscara inútil e nociva, enquanto na Itália as boates, bares, restaurantes e pequenos negócios fecham. Pequim fez a sua parte e agora se prepara para prosseguir com o projeto, comprando as últimas joias italianas e europeias a preços promocionais durante a “pandemia”.

A mídia PRE$$TITUTE que antes era obcecada por imagens da China agora não mostra mais nada. Em Xangai, para citar apenas uma cidade , está tudo aberto. Muitos não usam máscaras. Em Wuhan, a cidade do “terrível vírus”, tudo está aberto e não há áreas amarelas ou vermelhas.

Na China, aliás, praticamente ninguém está se vacinando. Apenas 16 pessoas foram vacinadas em cada 100 doses administradas na China, o que coloca este país em 57º lugar no mundo na administração de vacinas Covid .

Enquanto aqui na Europa e na Itália se realiza uma campanha de terrorismo psicológico que quer fazer crer que a vacina é a “salvação” contra a Covid, na China, país de onde se originou este vírus “letal”, eles retomaram o trabalho e reabriram tudo sem fazer nenhuma vacinação em massa. É a própria China que revela por meio de sua política que a Covid foi e é uma grande farsa.

O eixo Itália-China decisivo para a concepção do golpe eleitoral contra Trump

O fio condutor entre a Itália e a China nunca se quebrou, entretanto, e após a coordenação na falsa pandemia em novembro de 2020, parece ter desempenhado um papel igualmente decisivo na orquestração do golpe eleitoral contra Donald Trump e colocar o seu marionete, o senil Joe Biden na presidência dos EUA.

Fontes próximas ao escândalo Italiagate relataram como na noite de 3 de novembro em Roma, um satélite militar da empresa Leonardo SpA foi usado para hackear os votos e movê-los de Trump para Biden desde a embaixada dos EUA em via Veneto, na Itália.

A Leonardo SpA é uma empresa de propriedade majoritária do governo italiano e isso envolveria inevitavelmente a participação de Conde. Ao mesmo tempo, na China, um grupo de hackers profissionais realizou outros ataques cibernéticos para favorecer o candidato democrata Joe Biden, um fantoche durante anos nas mãos da mesma ditadura comunista.

Portanto, parece haver um fio condutor que une tanto a chamada “pandemia” quanto o golpe contra Donald Trump e esse fio condutor é o eixo entre Itália e China que foi decisivo para dar vida a ambas as operações. O traço de união entre Itália e China durante todo esse tempo foi o ex-premier Giuseppe Conte.

No final desta história, os caminhos do globalismo sempre parecem levar a Roma.


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões


O significado de ASTRAZENECA: “Arma que Mata”.

“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932].  Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.